12 maiores incêndios do mundo e seu significado ambiental

Um incêndio florestal pode atingir diversas direções em um ritmo acelerado, deixando apenas cinzas e solo carbonizado em seu rastro. E eles só vão piorar à medida que aquecimento global continuou. Junte-se a nós enquanto radiografamos alguns dos maiores incêndios do mundo.

Dado que o fogo é um dos cinco elementos da natureza, juntamente com o ar, a água, o solo e o espaço, sempre foi um componente dos nossos ecossistemas. Tudo isso é crucial para a nossa sobrevivência e para a preservação do equilíbrio do planeta.

No entanto, ocorrências extremas, especialmente incêndios florestais, tornaram-se mais frequentes como resultado das alterações climáticas. Incêndios florestais, em particular, têm destruiu vastas extensões de florestas e Habitats da vida selvagem, colocando em risco a vida de centenas de milhares de animais.

De acordo com o pesquisas recentes da WWF e do Boston Consulting Group (BCG), houve 13% mais alertas de incêndio em todo o mundo em abril do que no ano anterior, que já foi um ano recorde de incêndios. As principais causas são desmatamento, provocada principalmente pela conversão de terras para a agricultura e pelo clima persistentemente mais quente e seco provocado pela mudança climática.

Em 19 de agosto de 2019, a milhares de quilômetros de distância, em São Paulo, Brasil, o dia deu lugar à noite, à medida que a fumaça dos incêndios na Amazônia se misturava com nuvens baixas e se movia para sudeste. Imagens de satélite mostraram que o maior floresta Estava em chamas.

No início de janeiro de 2020, surgiram fotos comparáveis ​​da Austrália. À medida que a fumaça cobria Canberra, Sydney e Melbourne, ela se espalhava pelo Pacífico. As florestas da Austrália estavam em chamas em milhares de hectares.

Os piores incêndios florestais históricos | EducaçãoMundo

Os 12 maiores incêndios do mundo

  • Incêndios da Taiga na Sibéria em 2003 (Rússia) – 55 milhões de acres
  • Incêndios florestais australianos de 2019/2020 (Austrália) – 42 milhões de acres
  • Incêndios nos Territórios do Noroeste de 2014 (Canadá) - 8.5 milhões de acres
  • Temporada de incêndios no Alasca de 2004 (EUA) – 6.6 milhões de acres
  • 1939 Black Friday Bushfire (Austrália) - 5 milhões de acres
  • O Grande Incêndio de 1919 (Canadá) – 5 milhões de acres
  • Incêndio de Chinchaga em 1950 (Canadá) – 4.2 milhões de acres
  • Incêndios florestais na Bolívia em 2010 (América do Sul) – 3.7 milhões de acres
  • 1910 Grande Incêndio de Connecticut (EUA) – 3 milhões de acres
  • 1987 Black Dragon Fire (China e Rússia) – 2.5 milhões de acres
  • 2011 Richardson Backcountry Fire (Canadá) – 1.7 milhão de acres
  • ​​Os incêndios florestais de 1989 em Manitoba (Canadá) – 1.3 milhão de acres

1. Incêndios da Taiga na Sibéria em 2003 (Rússia) – 55 milhões de acres

Mais de 55 milhões de acres (22 milhões de hectares) de terra foram queimados por uma sucessão de incêndios incrivelmente destrutivos nas florestas de taiga da Sibéria Oriental em 2003, durante um dos verões mais quentes que a Europa alguma vez viu.

Pensa-se que um dos incêndios florestais mais destrutivos e massivos registados na história da humanidade tenha resultado de uma combinação de circunstâncias anormalmente secas e da crescente exploração humana nas últimas décadas.

A fumaça das chamas viajou centenas de quilômetros até Kyoto, espalhando-se pela Sibéria, Extremo Oriente Russo, norte da China e norte da Mongólia.

Estudos sobre o destruição da camada de ozono realizados actualmente revelam as consequências dos incêndios na Taiga Siberiana, cujas emissões são comparáveis ​​às reduções de emissões prometidas pela União Europeia no âmbito do Protocolo de Quioto.

2. Incêndios florestais australianos de 2019/2020 (Austrália) - 42 milhões de acres

Os efeitos devastadores dos incêndios florestais australianos de 2020 sobre a fauna tornaram-nos uma nota de rodapé histórica. Graves incêndios florestais devastaram Queensland e Nova Gales do Sul, no sudeste da Austrália, queimando 42 milhões de acres, demolindo milhares de edifícios e ceifando a vida de 3 bilhões de criaturas, incluindo surpreendentes 61,000 mil coalas.

O final de 2019 e o início de 2020 provaram ser o ano mais quente e seco já registrado na Austrália, o que desempenhou um papel significativo nos incêndios florestais catastróficos. A temperatura média da Austrália em 2019 foi 1.52°C superior à média, tornando-o o ano mais quente desde que os registos começaram em 1910, de acordo com dados fornecidos pelo grupo de monitorização do clima.

Janeiro de 2019 também foi o mês mais quente já registrado na Austrália. A precipitação foi 40% menor que o normal, a mais baixa desde 1900.

3. Incêndios nos Territórios do Noroeste de 2014 (Canadá) - 8.5 milhões de acres

Mais de 150 incêndios distintos começaram nos Territórios do Noroeste no verão de 2014, consumindo uma área de mais de 442 mil milhões de quilómetros quadrados (1.1 milhas quadradas) no norte do Canadá.

Acredita-se que treze deles tenham sido causados ​​pelo homem. Com o fumo visível até em Portugal, na Europa Ocidental, o fumo que produziram gerou alertas de qualidade do ar não só nos EUA, mas em todo o país.

Quase 8.5 milhões de acres (3.5 milhões de hectares) de floresta foram destruídos e o governo teve de pagar incríveis US$ 44.4 milhões em suprimentos de combate a incêndios. Os incêndios nos Territórios do Noroeste estiveram entre os piores registados em quase trinta anos devido a estes resultados catastróficos.

4. Temporada de incêndios no Alasca de 2004 (EUA) – 6.6 milhões de acres

Em termos de área total queimada, a temporada de incêndios no Alasca de 2004 foi a pior já registrada no estado norte-americano do Alasca. Seven01 incêndios destruíram mais de 6.6 milhões de acres (2.6 milhões de hectares) de terra. Destes, 426 foram iniciados por pessoas, enquanto 215 foram causados ​​por raios.

Comparado com o ambiente normal do verão no interior do Alasca, o verão de 2004 foi excepcionalmente quente e úmido, levando a um número recorde de relâmpagos. Os incêndios que persistiram até Setembro foram causados ​​por um Agosto invulgarmente seco, após meses destes incêndios e do aumento das temperaturas.

5. 1939 Black Friday Bushfire (Austrália) - 5 milhões de acres

Os incêndios florestais conhecidos como “Black Friday”, que devastaram mais de 5 milhões de acres no estado australiano de Victoria em 1939, foram o resultado de uma seca prolongada seguida de temperaturas extremamente altas e ventos fortes.

Foi o terceiro incêndio mais mortal da história australiana, tendo destruído mais de três quartos do estado e ceifado 71 vidas. Depois de durar vários dias, os incêndios finalmente ficaram fora de controle em 13 de janeiro, quando as temperaturas na cidade de Mildura, no noroeste, atingiram 47.2ºC e a capital Melbourne atingiu 44.7ºC.

Isto resultou em 36 mortes e na destruição de mais de 700 casas, 69 serrarias, inúmeras fazendas e outras empresas. As cinzas dos incêndios inundaram a Nova Zelândia.

6. O Grande Incêndio de 1919 (Canadá) – 5 milhões de acres

O Grande Incêndio de 1919 ainda é considerado um dos maiores e mais destrutivos incêndios florestais da história, embora tenha ocorrido há mais de um século. No início de maio, um complexo de muitos incêndios devastou as províncias canadenses de Saskatchewan e a floresta boreal de Alberta.

Os ventos fortes e secos e a madeira cortada para o negócio madeireiro contribuíram para os incêndios de rápida combustão que, em questão de dias, destruíram centenas de casas e ceifaram 11 vidas, devastando quase 5 milhões de acres (2 milhões de hectares).

7. Incêndio de Chinchaga em 1950 (Canadá) – 4.2 milhões de acres

O Incêndio Florestal de Chinchaga, às vezes chamado de Fogo Wisp e “Fogo 19”, queimou no norte da Colúmbia Britânica e em Alberta de junho até a primeira parte de outubro de 1950.

Com uma área queimada estimada em 4.2 milhões de acres (1.7 milhão de hectares), está entre os maiores incêndios da história da América do Norte. A falta de habitação na área permitiu que o fogo ardesse descontroladamente, diminuindo o seu impacto nas estruturas e constituindo um perigo para as pessoas.

A enorme quantidade de fumaça produzida pelos incêndios resultou na famosa “Grande Nuvem de Fumaça”, uma densa nuvem de fumaça que tornou o sol azul e foi facilmente visível a olho nu por quase uma semana. Durante vários dias, os observadores poderão testemunhar o evento em toda a Europa e no leste da América do Norte.

8. Incêndios florestais na Bolívia em 2010 (América do Sul) – 3.7 milhões de acres

Mais de 25,000 incêndios eclodiram na Bolívia em Agosto de 2010, destruindo vastos 3.7 milhões de acres (1.5 milhões de hectares) de terra, sendo a região amazónica do país a que mais sofreu.

O governo foi obrigado a proclamar o estado de emergência e a suspender vários voos devido à densa fumaça por eles produzida.

Além da vegetação seca provocada pela grave seca que o país sofreu durante o verão, os incêndios dos agricultores para limpar o terreno para a sementeira foram outras causas. Alguns dos incêndios florestais mais mortíferos que atingiram a América do Sul em quase 30 anos ocorreram na Bolívia.

9. 1910 Grande Incêndio de Connecticut (EUA) - 3 milhões de acres

Este incêndio florestal, também conhecido como Devil's Broom Fire, Big Burn ou Big Blowup, assolou os estados de Montana e Idaho durante os meses de verão de 1910. Este foi um dos piores incêndios florestais da história dos EUA, destruindo 3 milhões de acres (1.2 milhões de hectares), aproximadamente o tamanho do estado de Connecticut, e matando 85 pessoas em apenas dois dias.

O incêndio original foi alimentado por ventos fortes, o que também fez com que ele se fundisse com incêndios menores para formar um grande incêndio. O governo conseguiu implementar medidas de proteção florestal por causa do incêndio, embora seja reconhecido principalmente pela devastação que causou.

10. 1987 Black Dragon Fire (China e Rússia) – 2.5 milhões de acres

O Incêndio do Dragão Negro de 1987, às vezes referido como Incêndio Florestal de Daxing'annling, pode ter sido o incêndio florestal mais mortal na República Popular da China e o maior incêndio individual no mundo nas últimas centenas de anos.

Durante mais de um mês, queimou sem parar, consumindo quase 2.5 milhões de acres (1 milhão de hectares) de terra, dos quais 18 milhões de acres eram florestais. Relatórios chineses sugerem que a atividade humana pode ter iniciado o incêndio, mas a razão precisa permanece desconhecida.

Durante o incêndio, 191 pessoas perderam a vida e outras 250 ficaram feridas. Além disso, cerca de 33,000 mil pessoas ficaram sem onde morar.

11. 2011 Richardson Backcountry Fire (Canadá) - 1.7 milhão de acres

Em maio de 2011, um surto de incêndio no interior de Richardson ocorreu na província canadense de Alberta. Desde o incêndio de Chinchaga em 1950, este foi o maior incidente de incêndio.

Quase 1.7 milhão de acres (688,000 mil hectares) de floresta boreal foram destruídos pelo incêndio, que também causou vários fechamentos e evacuações. As autoridades acreditam que a atividade humana foi provavelmente a causa do incêndio, mas os ventos fortes, as temperaturas excepcionalmente altas e as circunstâncias extremamente secas pioraram a situação.

12. ​​Os incêndios florestais de Manitoba em 1989 (Canadá) - 1.3 milhão de acres

As chamas de Manitoba aparecem em último lugar no nosso ranking dos maiores incêndios florestais registados na história.

A província canadense de Manitoba, que abriga uma vasta gama de paisagens, desde a tundra ártica e a costa do Hudson Bat até a densa floresta boreal e enormes lagos de água doce, viu 1,147 incêndios entre meados de maio e início de agosto de 1989, o maior número já registrado. gravado.

Cerca de 1.3 milhão de acres (3.3 milhões de hectares) de terra foram queimados pelas chamas recordes, forçando a evacuação de 24,500 residentes de 32 assentamentos separados. O dinheiro gasto para suprimi-los chegou a US$ 52 milhões.

Embora os incêndios de verão não sejam incomuns em Manitoba, a quantidade de incêndios ocorridos em 1989 foi 4.5 vezes maior do que a média de 120 incêndios mensais ao longo de 20 anos. A maioria dos incêndios em Julho foram provocados por raios, enquanto a maioria dos incêndios em Maio foram causados ​​pela actividade humana.

Como podemos agir para impedir que estas chamas destrutivas ocorram no nosso planeta?

Os incêndios florestais servem como um lembrete assustador da emergência climática. Além disso, aprender sobre os impactos destrutivos e de longo alcance dos incêndios florestais pode ser desanimador e deprimente. No entanto, a verdade é que você pode apoiar soluções climáticas e ajudar a espalhar a consciência sobre estes incêndios tomando certas medidas.

Recomendações

Um ambientalista apaixonado de coração. Redator líder de conteúdo na EnvironmentGo.
Eu me esforço para educar o público sobre o meio ambiente e seus problemas.
Sempre foi sobre a natureza, devemos proteger, não destruir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *