Mudanças Climáticas na Colúmbia Britânica – O Agora e o Futuro

As alterações climáticas na Colúmbia Britânica são uma questão vital de debate, tal como o são à escala global.

Não há dúvida de que as atividades antrópicas (atividades humanas) aumentaram mudança climática nos últimos séculos. Nações de todo o mundo já estão a sofrer as suas consequências e efeitos destrutivos no nosso planeta.

Apesar do compromisso do Canadá de atingir emissões líquidas zero de gases com efeito de estufa até 2050, ainda há um longo caminho a percorrer. Do ar e poluição da água para desmatamento à principal questão ambiental que causa as alterações climáticas, aqui discutiremos extensivamente a questão das alterações climáticas na Colúmbia Britânica.

As alterações climáticas são naturais; tivemos muitas eras glaciais cíclicas e períodos de degelo. No entanto, não há como negar que nós, humanos, estamos a aumentar as alterações climáticas mais rapidamente do que conseguimos adaptar-nos a elas.

Mudanças climáticas na Colúmbia Britânica

Como o BC está contribuindo para as mudanças climáticas

BC contribui para as mudanças climáticas principalmente através de atividades humanas. Pessoas queimam combustíveis fósseis e converter terras de florestas em agricultura.

Desde o início da Revolução Industrial, as pessoas têm queimado cada vez mais combustíveis fósseis e transformado vastas áreas de terra de florestas em terras agrícolas.

A queima de combustíveis fósseis produz dióxido de carbono, um gás de efeito estufa. É chamado de gases de efeito estufa porque produz um “efeito estufa”. O efeito estufa torna a Terra mais quente, assim como uma estufa é mais quente que o ambiente ao seu redor.

Conseqüentemente, o dióxido de carbono é a principal causa das mudanças climáticas induzidas pelo homem. Permanece na atmosfera por muito tempo.

Outros gases de efeito estufa, como o óxido nitroso, permanecem na atmosfera por muito tempo. Outras substâncias produzem apenas efeitos de curto prazo. Contudo, nem todas as substâncias produzem aquecimento. Alguns, como certos aerossóis, podem produzir resfriamento

10 coisas que a província está fazendo para combater as mudanças climáticas

O Canadá, como nação, está empenhado em reduzir as suas emissões de gases com efeito de estufa (GEE) em 30% abaixo dos níveis de 2005 até 2030, ao abrigo do Acordo de Paris. Em Julho de 2021, o Canadá aprimorou os planos do Acordo de Paris com uma nova meta de reduzir as emissões em 40-45% abaixo dos níveis de 2005 até 2030.

No entanto, BC tem trabalhado dentro da sua capacidade para trazer à tona diversas políticas de mitigação das alterações climáticas que têm sido implementadas ao longo do tempo na região, tais como tecnologia e investimento limpos, indústrias mais limpas, promulgação de políticas, etc.

Abaixo está uma discussão mais aprofundada sobre algumas medidas implementadas por B. C para combater as mudanças climáticas.

  • Promulgação de Políticas e Regulamentos
  • Através da Preparação e Adaptação Climática
  • Tratados e Protocolos
  • Introdução de Tecnologia Limpa
  • Investimento em Tecnologia Limpa
  • Cooperação internacional
  • Indústrias Mais Limpas
  • Uso de bombas economizadoras de calor e energia
  • Colaborações do governo local
  • Edifícios e Comunidades

1. Promulgação de Políticas e Regulamentos

Experimentando muitos dos efeitos das mudanças climáticas em primeira mão, o Canadá promulgou inúmeras políticas destinadas a combater as emissões para orientar todas as regiões, incluindo BC

A Lei Canadense de Proteção Ambiental foi introduzida em 1999 para combater poluentes atmosféricos específicos e teve muitas alterações e acréscimos desde a sua introdução.

Como o incêndio florestal Act, onde todos na Colúmbia Britânica têm um papel a desempenhar na redução do risco de incêndios florestais. A Lei dos Incêndios Florestais explica os deveres do governo. Ele estabelece as regras para o uso do fogo e o manejo de incêndios florestais na Colúmbia Britânica.

A Wildfire O regulamento explica como implementamos as nossas leis relacionadas com incêndios florestais. Também, a Lei Florestal é visto como um componente de um compromisso provincial para proteger e sustentar o meio ambiente, garantindo ao mesmo tempo uma economia sustentável.

2. Através da Preparação e Adaptação Climática

A preparação para as alterações climáticas é uma ferramenta vital que reforça a capacidade de resposta a eventos extremos, como incêndios florestais, inundações e ondas de calor, bem como a mudanças mais graduais, como a escassez de água e a subida do nível do mar.

A Estratégia de Preparação e Adaptação Climática do BC ajuda a proteger ecossistemas, reduzir os custos a longo prazo e manter as pessoas e as comunidades seguras.

A Estratégia de Preparação e Adaptação Climática de BC descreve uma ampla gama de ações para 2022–2025 para abordar os impactos climáticos e construir resiliência em todo BC

As ações sugeridas para a estratégia são apoiadas por mais de 500 milhões de dólares em investimentos e tiveram em conta o feedback do envolvimento público no projeto de Estratégia de Preparação e Adaptação Climática e outros fatores, como a Avaliação Estratégica Preliminar dos Riscos Climáticos de 2019 e os acontecimentos climáticos extremos de 2021.

As ações da estratégia estão agrupadas em quatro caminhos principais e baseiam-se no trabalho já em curso entre governos, Primeiras Nações, empresas, universidades e organizações sem fins lucrativos.

A Colúmbia Britânica tem trabalhado para garantir que as nossas comunidades, economia e infraestruturas estejam preparadas para as alterações climáticas, salvaguardando ao mesmo tempo os ecossistemas que nos sustentam a todos.

3. Tratados e Protocolos

O Canadá, como nação, também alcançou numerosos acordos ambientais com a comunidade internacional. O Canadá foi a primeira nação desenvolvida a ratificar a Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica.

Através deste tratado, os governos do Canadá tomaram medidas para salvaguardar quase 10% da massa terrestre do Canadá e 3 milhões de hectares de oceano.

O Canadá também assinou vários tratados de gestão de resíduos, incluindo a Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes e a Convenção de Roterdão sobre o Procedimento de Prévio Informado e Consentimento para Certos Produtos Químicos Perigosos.

O Canadá também está envolvido em grandes organizações ambientais internacionais, como a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e a Comissão Norte-Americana para a Cooperação Ambiental.

4. Introdução de Tecnologia Limpa

Embora o sector da tecnologia limpa na Colúmbia Britânica tenha vindo a expandir-se todos os anos, o sector não tem estado a expandir-se tão rapidamente como noutros países, o que fez com que a nação ficasse para trás no mercado global.

O Canadá está classificado apenas em 16º lugar entre os 25 maiores exportadores, com a China, a Alemanha e os EUA ocupando os três primeiros lugares de exportação. O governo federal investiu 1.8 mil milhões de dólares em tecnologia limpa, mas parte desse dinheiro só estará disponível em 2019.

De acordo com um relatório de 2015 da empresa de pesquisa Analytica Advisors, a participação do Canadá no mercado internacional de produtos de tecnologia limpa caiu 41 centavos entre 2005 e 2013. Em 2015, a indústria teve receitas de US$ 13.27 bilhões, mas os lucros retidos diminuíram a cada ano durante o ano. últimos cinco anos.

Uma das formas de reduzir drasticamente os nossos efeitos sobre as alterações climáticas é utilizar energias renováveis, como a energia eólica e solar, em vez de combustíveis fósseis. Embora a transição para uma sociedade sem combustíveis fósseis possa ser difícil, se quisermos sustentar a Terra para as gerações futuras, temos de agir agora, antes que seja tarde demais.

5. Investimento em Tecnologia Limpa

A Colúmbia Britânica abriga algumas das empresas de tecnologia limpa mais inovadoras do mundo. Ao unir inovadores e adotantes, este setor estará bem posicionado para crescer, reduzindo ao mesmo tempo as emissões de gases com efeito de estufa e enfrentando alguns dos mais difíceis desafios relacionados com o clima que enfrentamos.

Em 1º de fevereiro de 2023, um membro do Parlamento por Steveston-Richmond East, Parm Bains em nome do Honorável Harjit S. Sajjan, Ministro do Desenvolvimento Internacional e Ministro responsável pela Agência de Desenvolvimento Econômico do Pacífico do Canadá (Pacifican), anunciou US$ 5.2 milhões em financiamento através da PacifiCan, juntamente com US$ 2.3 milhões da Província de BC, para a Foresight Canada.

Este financiamento será utilizado pela Foresight para estabelecer a BC Net Zero Innovation Network (BCNZIN), reunindo inovadores, empresas e partes interessadas para promover o desenvolvimento de soluções competitivas de tecnologia limpa e colocá-las no mercado. O foco inicial da Foresight será em soluções para os setores florestal, de mineração e de água de BC.

Esta rede não só acelerará o desenvolvimento e a adopção de tecnologias limpas, mas também abrirá novos mercados e atrairá talentos de classe mundial para a província.

A expectativa deste projeto é a motivação para o crescimento do setor de tecnologia limpa do BC, criando cerca de 240 novos empregos e atraindo US$ 280 milhões em investimentos. Além dos fortes benefícios económicos, o projecto tem como meta reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em 125 quilotoneladas.

Em todo o país, o governo do Canadá comprometeu-se com emissões líquidas zero até 2050. Em BC, a PacifiCan está a investir no desenvolvimento e na adoção de soluções de tecnologia limpa para ajudar a atingir este objetivo.

6. Cooperação Internacional

O Canadá é signatário do Protocolo de Quioto. No entanto, o governo liberal que mais tarde [é necessário esclarecimento] assinou o acordo tomou poucas medidas no sentido de cumprir as metas de emissões de gases com efeito de estufa do Canadá.

Embora o Canadá tenha se comprometido com uma redução de 6% abaixo dos níveis de 1990 para 2008-2012 como signatário do Protocolo de Quioto, o país não implementou um plano para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa.

Imediatamente após as eleições federais de 2006, o novo governo minoritário do primeiro-ministro conservador Stephen Harper anunciou que o Canadá não poderia e não iria cumprir os compromissos do Canadá.

A Câmara dos Comuns aprovou vários projetos de lei patrocinados pela oposição apelando a planos governamentais para a implementação de medidas de redução de emissões.

Grupos ambientalistas canadenses e norte-americanos sentem que a região carece de credibilidade na política ambiental e criticam regularmente o Canadá em instâncias internacionais.

7. Indústrias mais limpas

Através do CleanBC, o governo está a trabalhar com a indústria e outras entidades em toda a província para reduzir a poluição, melhorar a eficiência e adotar novas tecnologias. Estão também a apoiar novas oportunidades para um crescimento limpo e com baixas emissões de carbono, que sejam globalmente competitivos e que se baseiem nas vantagens da energia limpa e da tecnologia limpa do BC.

O mercado global de energia limpa, tecnologias, produtos e serviços está avaliado em biliões de dólares e as indústrias limpas de BC têm uma vantagem inicial na satisfação da procura.

Até 2030, BC comprometeu-se a reduzir as emissões em toda a província para 40 por cento abaixo dos níveis registados em 2007. Como parte do plano para alcançar este objectivo, BC estabeleceu metas para reduzir as emissões nos sectores industrial e de petróleo e gás. Conseqüentemente, o BC estabeleceu um roteiro sobre como alcançar esse feito.

Aqui estão algumas maneiras pelas quais a indústria poderia parecer diferente em 2030 com base no Roteiro para 2030:

  • Novas grandes instalações industriais são obrigadas a desenvolver planos para atingir emissões líquidas zero até 2050.
  • As emissões de metano provenientes do petróleo e do gás serão reduzidas em 75% até 2030, e quase todas as emissões industriais de metano serão eliminadas até 2035.
  • 300 milhões de árvores foram plantadas para aumentar os sumidouros de carbono do BC.

8. Utilização de bombas de calor economizadoras de energia

100% das pessoas em Hartley Bay, uma comunidade de Gitga'at na costa norte, têm agora bombas de calor energeticamente eficientes nas suas casas, mantendo-as frescas no Verão e quentes no Inverno, ao mesmo tempo que reduzem as suas contas de aquecimento e diminuem a pegada de carbono da comunidade.

As bombas de calor também fornecem filtragem do ar, reduzindo os riscos de fumaça de incêndios florestais durante os meses de verão.

A mudança para bombas de calor foi apoiada pelo Incentivo à Bomba de Calor para Comunidades Indígenas CleanBC, que ajuda a fazer escolhas limpas para edifícios residenciais e comunitários acessíveis e acessíveis.

9. Colaborações do governo local

Os governos locais desempenham um papel fundamental na redução das emissões de gases com efeito de estufa e na adaptação a um clima em mudança através da gestão de edifícios, transportes, água, resíduos e utilização do solo.

Durante mais de uma década, os governos locais na Colúmbia Britânica demonstraram liderança climática ao assinarem a Carta de Acção Climática, cumprindo os compromissos da Carta como monitorizar, reportar e reduzir emissões, e implementar a acção climática nas suas jurisdições.

10. Edifícios e Comunidades

Através do CleanBC, a província está a elevar os padrões para novas construções, incentivando melhorias de poupança de energia em casas, escolas e locais de trabalho existentes, e apoiando as comunidades na redução dos gases com efeito de estufa e na preparação para os efeitos das alterações climáticas.

Como parte do compromisso do BC para 2030 de reduzir as emissões em toda a província em 40% em relação aos níveis de 2007, o BC estabeleceu uma meta para reduzir as emissões em edifícios e comunidades em mais da metade até 2030. O Roteiro CleanBC para 2030 mapeia as rotas mais promissoras para atingir essas metas e definir o rumo para cumprir nosso compromisso de zero emissões líquidas até 2050.

Aqui estão algumas maneiras pelas quais nossos edifícios e infraestrutura poderiam parecer diferentes em 2030, com base no Roteiro para 2030:

  • Todos os novos edifícios em BC terão zero carbono, portanto nenhuma nova poluição climática será adicionada à atmosfera a partir de novos edifícios após este ponto.
  • Todos os novos equipamentos espaciais e de água quente serão pelo menos 100% eficientes, reduzindo significativamente as emissões em comparação com a atual tecnologia de combustão

10 maneiras pelas quais as mudanças climáticas estão afetando a Colúmbia Britânica

Listadas e discutidas abaixo estão as 10 principais maneiras pelas quais as mudanças climáticas estão afetando a Colúmbia Britânica.

  • Eventos climáticos extremos
  • Aumento do nível do mar
  • Impacto no ecossistema
  • Mudanças de temperatura e clima
  • Calor intenso e incêndios florestais
  • Deslizamentos de terra e inundações
  • Alta intensidade de chuva
  • Impacto na saúde
  • Perda de Vida Humana
  • Esgotamento do Ártico

1. Eventos climáticos extremos

Eventos climáticos extremos são de maior preocupação na Colúmbia Britânica, que incluem fortes chuvas e nevascas, ondas de calor e secas.

Eles estão ligados a inundação e deslizamentos de terra, escassez de água, incêndios florestais e redução da qualidade do ar, que levam a danos em terras agrícolas, propriedades e infraestruturas, perturbações comerciais, etc.

2. Aumento do nível do mar

Em muitas partes da região, prevê-se que as inundações costeiras aumentem devido à subida global do nível do mar e à subsidência ou elevação de terras locais.

O nível do mar no Canadá está aumentando entre 1 e 4.5 mm por ano. As áreas que vão ter maior greve é ​​sempre a Região Oeste, onde temos o BC

3. Impacto no ecossistema

O relatório anual de 2011 da Environment Canada mostra que há evidências de que algumas áreas regionais dentro da floresta boreal do oeste do Canadá aumentaram 2 °C desde 1948.

Isto mostra que o ritmo da mudança climática está a levar a condições mais secas na floresta boreal, o que leva a uma série de problemas subsequentes.

Como resultado da rápida mudança do clima, as árvores estão migrando para latitudes e altitudes mais altas (norte), mas algumas espécies podem não estar migrando rápido o suficiente para seguir seu habitat climático.

Além disso, as árvores dentro do limite sul da sua distribuição podem começar a apresentar declínios no crescimento. As condições mais secas também estão a levar a uma mudança das coníferas para os álamos em áreas mais propensas a incêndios e secas.

4. Mudanças de temperatura e clima

As temperaturas médias anuais no Canadá aumentaram 1.7 °C desde 1948. Essas mudanças climáticas não foram uniformes ao longo das estações.

Na verdade, as temperaturas médias no inverno aumentaram 3.3 °C durante o mesmo período, enquanto as temperaturas médias no verão aumentaram apenas 1.5 °C. As tendências também não foram uniformes entre as regiões.

A Colúmbia Britânica, as províncias das pradarias e o norte do Canadá foram os que mais sofreram o aquecimento no inverno. Entretanto, algumas áreas do sudeste do Canadá registaram um aquecimento médio inferior a 1 °C durante o mesmo período.

As mudanças relacionadas com a temperatura incluem estações de crescimento mais longas, mais ondas de calor e menos períodos de frio, degelo do permafrost, ruptura precoce do gelo dos rios, escoamento precoce da primavera e brotação precoce das árvores.

As mudanças meteorológicas incluem um aumento na precipitação e mais neve no noroeste do Ártico.

5. Calor intenso e incêndios florestais

Há uma década, BC enfrenta diversos problemas ambientais, como inundações, derretimento de gelo, incêndios florestais, calor intenso, etc. A região vem passando de um desastre a outro, sem tempo para se recuperar. Eles estão otimistas de que o governo fará as escolhas certas para um futuro melhor.

Apesar do compromisso do governo federal de exceder as suas metas climáticas para 2030, os colombianos britânicos dizem que não está a fazer o suficiente para enfrentar a crise climática.

6. Deslizamentos de terra e inundações

A costa oeste do Canadá está acostumada a invernos chuvosos, especialmente durante eventos de La Nina como o que estamos vivenciando. A maior precipitação foi observada ao longo da fronteira entre os EUA e o Canadá.

A província canadense da Colúmbia Britânica recebeu 150 a 200 mm de chuva, com alguns lugares recebendo mais de um mês de chuva em dois dias. As autoridades canadianas chamaram ao dilúvio resultante um acontecimento “que ocorre uma vez por ano”, o que significa que uma inundação desta dimensão tem 0.2% (1 em 500) de probabilidade de ocorrer num determinado ano.

Muitos canadenses foram afetados por deslizamentos de terra e inundações na Colúmbia Britânica. Vidas foram perdidas, milhares de pessoas foram deslocadas, propriedades e negócios foram perdidos e houve tantas ocorrências devastadoras.

Numa das inundações em BC, a terceira maior cidade e maior porto do Canadá, Vancouver, foi completamente isolada depois de ter perdido as suas ligações ferroviárias e rodoviárias devido a deslizamentos de terra e à destruição causada pela água.

7. Alta intensidade de chuva

O sinal das mudanças climáticas é a intensidade das chuvas. Decorre da física básica que um planeta mais quente significa chuvas mais intensas.

A pesquisa também mostra que a trajetória da tempestade de inverno se moverá para o norte, trazendo chuvas mais intensas para a Colúmbia Britânica.

De acordo com um relatório do Vancouver Sun, os cientistas alertam há pelo menos três décadas que a Colúmbia Britânica enfrenta uma ameaça das alterações climáticas.

8. Impacto na saúde

A Agência de Saúde Pública do Canadá informou que a incidência [ortografia] da doença de Lyme aumentou de 144 casos em 2009 para 2,025 casos em 2017.

Duncan Webster, consultor de doenças infecciosas do Hospital Regional de Saint John, relaciona esse aumento na incidência da doença ao aumento da população de carrapatos de patas pretas. A população de carrapatos aumentou em grande parte devido aos invernos mais curtos e às temperaturas mais altas associadas às mudanças climáticas.

9. Perda de vidas humanas

Pelo menos 569 pessoas morreram entre junho e agosto em consequência do calor e, com mais de 1,600 incêndios, a temporada de incêndios florestais deste ano foi a terceira pior já registada na província, incendiando quase 8,700 quilómetros quadrados de terra. Consumiu a aldeia de Lytton, onde pelo menos dois morreram também.

10. Esgotamento do Ártico

A temperatura média anual no norte do Canadá aumentou 2.3 ​​°C (faixa provável de 1.7 °C a 3.0 °C), o que é aproximadamente três vezes a taxa média de aquecimento global.

As taxas de aquecimento mais fortes foram observadas nas regiões mais setentrionais de Yukon e nos Territórios do Noroeste, onde foram observados aumentos médios anuais da temperatura de cerca de 3.5 °C entre 1948 e 2016.

As alterações climáticas derretem o gelo e aumentam a mobilidade do gelo. Em maio e junho de 2017, gelo denso de até 8 metros (25 pés) de espessura estava nas águas da costa norte de Newfoundland, prendendo barcos de pesca e balsas.

O que o futuro reserva para a Colúmbia Britânica à medida que as mudanças climáticas pioram

O último relatório das conclusões do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) reafirma que a ciência por trás das alterações climáticas causadas pelo homem já foi vista e ainda esperamos mais no futuro se a resiliência às alterações climáticas não for adotada ou se não for adotado um possível método de mitigação.

As alterações climáticas ocorrem à escala global, mas os seus efeitos são sentidos regionalmente, como pode ser visto pelas tendências climáticas da Colúmbia Britânica. O Conjunto de Dados Climáticos Provinciais de BC mostra que entre 1900 e 2012, o número de dias de geada por ano reduziu em 24 dias, enquanto as temperaturas no inverno aumentaram 2.1 C e no verão 1.1 C.

No entanto, os investigadores do Consórcio de Impactos Climáticos do Pacífico (PCIC) estão a projectar mudanças comparáveis ​​para a Colômbia Britânica ao longo dos próximos 100 anos, utilizando as mesmas simulações climáticas do IPCC.

“Mesmo num cenário moderado de emissões de GEE, até ao ano 2100, é provável que esta província registe um aquecimento adicional de 2.9 oC durante os meses de inverno e de 2.4 oC aumenta no verão, com maior aquecimento no inverno no Nordeste do que em outros lugares.”

Além disso, os padrões hidrológicos também serão afectados, sendo provável que os Invernos registem um aumento de 10% na precipitação e os Verões se tornem possivelmente mais húmidos no Norte e mais secos no Sul.

Isto mudará a forma como os sistemas fluviais funcionam, com as condições mais quentes a reduzirem a acumulação de neve e o resultante derretimento na primavera e no verão, afetando o abastecimento e a qualidade da água.

Conclusão

Os impactos das alterações climáticas e os custos dos acontecimentos extremos na Colúmbia Britânica são cada vez mais evidentes, mas as respostas e as medidas de adaptação permanecem reativas. Estão a ser tomadas medidas pelo governo e pelos indivíduos para combatê-la, bem como para abordar os efeitos resultantes desta problema ambiental mundial.

Recomendações

Consultor Ambiental at Ambiente Vá!

Ahamefula Ascension é consultor imobiliário, analista de dados e redator de conteúdo. Ele é o fundador da Hope Ablaze Foundation e graduado em Gestão Ambiental em uma das prestigiadas faculdades do país. Ele é obcecado por leitura, pesquisa e escrita.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *