Os 14 principais efeitos do desmatamento no meio ambiente

O desmatamento tem inúmeros efeitos devastadores sobre o meio ambiente. Os 14 principais efeitos do desmatamento no meio ambiente são cuidadosamente delineados e estudados neste artigo.

O conceito de desenvolvimento sustentável originou-se e evoluiu dentro da ciência florestal por causa dos efeitos do desmatamento. O efeito do desmatamento no meio ambiente é a perda de recursos florestais que também inclui os serviços ecossistêmicos oferecidos por essas florestas.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), as florestas e as árvores apoiam a agricultura sustentável. Eles estabilizam os solos e o clima, regulam os fluxos de água, proporcionam sombra e abrigo e fornecem um habitat para polinizadores e predadores naturais de pragas agrícolas. Eles também contribuem para a segurança alimentar de centenas de milhões de pessoas, para quem são importantes fontes de alimentos, energia e renda.

As florestas cobrem atualmente cerca de 4 bilhões de hectares. Isso é cerca de 31 por cento da superfície terrestre da Terra. Uma média de cerca de 5.2 milhões de hectares de cobertura florestal foram perdidos anualmente, devido ao desmatamento nos últimos dez anos.

A palavra desmatamento às vezes é substituída por outras palavras como revegetação, derrubada de árvores, corte de árvores, desmatamento, etc. Essas palavras, no entanto, explicam os diferentes aspectos do desmatamento ou as atividades que levam ao desmatamento.

O desmatamento em um termo simples pode ser considerado a perda de recursos florestais, especialmente a perda de árvores florestais. É a remoção de coberturas florestais e a conversão de uma floresta já existente para outras atividades de uso do solo, como agricultura, construção de indústrias, estradas, fazendas e aeroportos.

O desmatamento sempre ocorreu ao lado do desenvolvimento econômico. Agricultura, mineração, urbanização, são atividades econômicas que têm incentivado o desmatamento ao longo dos anos. Essas atividades exigem uma grande extensão de terra. Acredita-se que a pecuária seja responsável por cerca de 14% do desmatamento global.

Antes do início de 1900, as florestas temperadas na Ásia, Europa e América do Norte registravam as maiores taxas de desmatamento. Em meados do século XX, o desmatamento praticamente parou nas florestas temperadas do mundo.

À medida que a taxa de desmatamento gradualmente parou nas regiões temperadas, aumentou nas florestas tropicais do mundo. Essas florestas tropicais mantiveram esse alto nível de desmatamento devido à dependência de atividades econômicas baseadas na terra

Na África Subsaariana, a demanda por combustível, terras agrícolas, produção de culturas de rendimento, como algodão, cacau, café e tabaco, resultou em desmatamento. Além disso, a aquisição de uma grande área de terra por investidores estrangeiros acelerou esse processo em alguns países nos últimos tempos…

No norte da África e na bacia do Mediterrâneo, atividades como construção de navios, aquecimento, culinária, construção, abastecimento de fornos de cerâmica e metal e fabricação de contêineres levaram ao corte de árvores.

A dependência dos recursos florestais para o crescimento econômico difere de uma sociedade para outra. Na sociedade pré-agrária, os recursos florestais são a única fonte de subsistência, assim, a alta dependência e exploração e uso insustentável de matérias-primas e combustível dos recursos florestais são predominantes. Na sociedade agrária, as florestas são desmatadas para fins agrícolas. Nas sociedades pós-agrárias onde o desenvolvimento econômico progrediu, o foco está no manejo florestal sustentável. Práticas florestais sólidas, apoiadas por compromisso político, foram implementadas.

Embora a taxa global de desmatamento tenha diminuído na última década, ainda é alarmantemente alta em muitas partes do mundo. Mesmo o indicador dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) das Nações Unidas sobre florestas não foi alcançado.

De acordo com Folmer e van Kooten, muitos governos incentivam o desmatamento fornecendo subsídios e incentivos diretos ou indiretos para a agricultura. Esses governos também não reconheceram a importância dos benefícios não madeireiros das florestas e os custos externos associados ao desmatamento.

O desmatamento tem algum efeito sobre o meio ambiente?

Sim, ele faz.

As florestas são amplamente conhecidas como o maior repositório mundial de biodiversidade terrestre. Eles também desempenham um papel vital na mitigação das mudanças climáticas globais e contribuem para a conservação do solo e da água em muitos ecossistemas frágeis.

De acordo com o relatório Situação das Florestas no Mundo, as florestas são componentes muito importantes do meio ambiente. Eles têm impactos diretos e mensuráveis ​​na vida das pessoas. Os recursos e serviços florestais geram renda e atendem às demandas de alimentação, abrigo, vestuário e energia do homem. A remoção de florestas, portanto, significa a retirada desses recursos e serviços.

Os 14 principais efeitos do desmatamento no meio ambiente

Os efeitos do desmatamento sobre o homem e outros componentes do meio ambiente são os seguintes:

  • Perda de emprego
  • Perda de Energia de Combustível de Madeira
  • Perda de Materiais de Abrigo
  • Perda de Renda de Pagamentos por Serviços Ambientais (PES)
  • Perda de Renda da Produção de Produtos Florestais Não-Madeireiros
  • Perda de Habitat e Biodiversidade
  • Perda de recursos renováveis
  • Erosão e Inundação do Solo
  • Alteração do nível de pH do oceano
  • Aumento do CO2 atmosférico
  • Redução da Umidade Atmosférica
  • Declínio da Qualidade de Vida
  • Refugiados Ambientais
  • Surto de Doenças

1. Perda de emprego

O setor florestal formal emprega cerca de 13.2 milhões de pessoas em todo o mundo, enquanto o setor informal emprega nada menos que 41 milhões de pessoas.

O efeito do desmatamento no meio ambiente pode estar nas fontes de emprego de indivíduos que trabalham em qualquer um desses setores. Aqueles ativamente engajados no desmatamento devem ter isso em mente.

2. Perda de Energia de Combustível de Madeira

A energia da madeira é muitas vezes a principal fonte de energia em assentamentos rurais de países subdesenvolvidos e em desenvolvimento. Em África, a energia da madeira representa 27 por cento do fornecimento total de energia primária. Na América Latina e no Caribe, responde por 13% da oferta de energia e 5% na Ásia e Oceania. Cerca de 2.4 bilhões de pessoas cozinham com lenha,

A energia da madeira também é usada em países desenvolvidos para reduzir sua dependência total de combustíveis fósseis. Cerca de 90 milhões de habitantes da Europa e países da América do Norte o utilizam para aquecedores internos durante as estações frias.

O uso insustentável de madeira florestal resulta na perda de combustível de madeira florestal. Isso, por sua vez, aumenta a demanda por combustíveis fósseis como fontes de energia.

3. Perda de Materiais de Abrigo

Cerca de 1 bilhão na Ásia e Oceania e 150 milhões na África vivem em casas onde os produtos florestais são os principais materiais usados ​​para paredes, telhados ou pisos.

Uma vez que os produtos florestais são importantes materiais de abrigo, o uso contínuo desses materiais sem o acompanhamento da reposição resultará em um declínio gradual na oferta e, eventualmente, na perda total.

4. Perda de Renda de Pagamentos por Serviços Ambientais (PES)

Em alguns lugares, proprietários ou gestores florestais são pagos pela produção de serviços ambientais, como proteção de bacias hidrográficas, armazenamento de carbono ou conservação de habitats. Quando essas florestas são perdidas pelo desmatamento, a renda que deveria ser gerada pelos pagamentos por serviços ambientais (PSA) também será perdida.

5. Perda de Renda da Produção de Produtos Florestais Não-Madeireiros

Os Produtos Florestais Não Madeireiros são produtos derivados de florestas além das árvores e seus produtos. Exemplos de NWFPs são plantas medicinais; carne de caça ou caça, mel; e outras plantas.

A Ásia e a Oceania geram (US$ 67.4 bilhões ou 77% do total) de NWFPs. Depois disso, a Europa e a África têm os próximos níveis mais altos de geração de renda dessas atividades.

Em comparação com outras atividades do setor florestal, a renda da produção de PFNMs é a maior contribuição adicional para o PIB na Ásia e Oceania e na África, onde representam 0.4% e 0.3% do PIB, respectivamente.

6. Perda de Habitat e Biodiversidade

A natureza tem sua maneira de equilibrar a perda e o ganho de seus recursos. Quando os animais morrem, a natureza pode se regenerar e equilibrar suas mortes com a reprodução. No entanto, quando há interferência de atividades humanas, como a caça exaustiva da fauna silvestre e a extração de madeira descontrolada. Essas atividades podem reduzir as espécies necessárias para a continuidade e regeneração da floresta.

Cerca de 70% dos animais terrestres e espécies de plantas foram perdidos como efeito do desmatamento no meio ambiente. Na África Central, a perda de espécies como gorilas, chimpanzés e elefantes é atribuída aos efeitos do desmatamento no meio ambiente. Entre 1978-1988, a perda anual de aves migratórias americanas aumentou de 1 a 3%.

A perda dessas espécies florestais é resultado do desmatamento, exploração madeireira, caça, todos iguais ao desmatamento.

Quando o desmatamento causa erosão, os materiais erodidos fluem para os corpos d'água, onde gradualmente se acumulam como sedimentos. Isso leva a uma condição conhecida como assoreamento. O aumento da carga de sedimentos dos rios sufoca os ovos dos peixes, causando menores taxas de eclosão. À medida que as partículas suspensas atingem o oceano, elas poluem o oceano e torna-se nublado, causando declínios regionais nos recifes de coral e afetando a pesca costeira.

Os recifes de coral são referidos como as florestas tropicais do mar. Quando eles são perdidos, todos os serviços prestados por eles são perdidos. O assoreamento e a perda de recifes de coral também afetam a pesca costeira.

7. Perda de Recursos Renováveis

A destruição de recursos renováveis ​​é um efeito do desmatamento no meio ambiente. Isso inclui perda de terras produtivas valiosas, perda de árvores e características estéticas das florestas

Em teoria, a extração de madeira pode ser uma atividade sustentável, gerando uma fonte contínua de receita sem diminuir a base de recursos – especialmente em florestas secundárias e plantações.

No entanto, a maior parte da extração de madeira da floresta tropical não é sustentável na prática, mas reduz a receita potencial para os países tropicais a longo prazo. Em lugares como o Sudeste Asiático e a África Ocidental, onde a madeira já foi exportada, o valor de suas florestas diminuiu devido à superexploração.

O Banco Mundial estima que os governos perdem cerca de US$ 5 bilhões em receitas anualmente como resultado da extração ilegal de madeira, enquanto as perdas gerais para as economias nacionais dos países produtores de madeira somam US$ 10 bilhões adicionais por ano.

Como as árvores da floresta são perdidas para a exploração madeireira, o ecoturismo também sofre com o desmatamento. O mercado de turismo traz dezenas de bilhões de dólares anualmente para países tropicais ao redor do mundo.

Notavelmente, praticamente todos os países ou regiões que passaram por desenvolvimento econômico experimentaram altas taxas de desmatamento durante a transição econômica. Felizmente, uma vez que uma economia nacional atinge um certo nível de desenvolvimento econômico, a maioria dos países tem sido bem-sucedida em deter ou reverter o desmatamento. SOFO 2012

8. Erosão e Inundação do Solo

Uma das importâncias das árvores nas florestas é que elas unem as superfícies do solo, ancorando o solo com suas raízes. Quando essas árvores são arrancadas, o solo é quebrado e suas partículas ficam frouxamente ligadas. Com as partículas do solo frouxamente ligadas, agentes de erosão, como vento, água ou gelo, podem facilmente lavar a grande massa de solo, levando à erosão do solo.

Períodos curtos de precipitação intensa também resultarão em inundações. Tanto as inundações quanto a erosão levam a matéria orgânica e os minerais do solo. Isso torna o solo infértil e reduz o rendimento das culturas.

Países como Madagascar e Costa Rica perdem anualmente cerca de 400 toneladas/ha e 860 milhões de toneladas de solo superficial valioso devido à erosão.

De acordo com um estudo na Costa do Marfim (Cote d'Ivoire), as áreas de encosta florestada perderam 0.03 toneladas de solo por hectare; as encostas cultivadas perderam 90 toneladas por hectare, enquanto as encostas nuas perderam 138 toneladas por hectare anualmente.

Além de prejudicar a indústria pesqueira, a erosão induzida pelo desmatamento pode minar estradas e rodovias que atravessam a floresta.

Quando a cobertura florestal é perdida, o escoamento flui rapidamente para os córregos, elevando o nível dos rios e sujeitando aldeias, cidades e campos agrícolas a jusante a inundações, especialmente durante a estação chuvosa.

9. Alteração do nível de pH do oceano

Um dos efeitos do desmatamento no meio ambiente é uma mudança no nível de pH dos oceanos. O desmatamento aumenta o nível de óxido de carbono IV na atmosfera. Este CO2 atmosférico sofre certas reações para formar ácidos carbônicos nos oceanos.

Desde a Revolução Industrial, as praias tornaram-se 30% mais ácidas. Esta condição ácida é tóxica para o ecossistema e organismos aquáticos.

10. Aumento do CO2 atmosférico

De acordo com o WWF, as florestas tropicais contêm mais de 210 gigatoneladas de carbono. As florestas desempenham um papel importante no sequestro de carbono. Eles são os pulmões da terra e são caracterizados por vegetação pesada. Essas árvores usam CO2 atmosférico para liberar oxigênio.

O desmatamento é irresponsável por 10-15% de todas as emissões antropogênicas de CO2. . Isso leva a um desequilíbrio na temperatura atmosférica e clima mais seco,

A queima de florestas como desmatamento libera carbono na atmosfera como dióxido de carbono. O dióxido de carbono é o gás de efeito estufa mais importante porque persiste na atmosfera. Também tem o potencial de alterar o clima global

11. Redução da Umidade Atmosférica

A vegetação florestal libera vapor de água de suas folhas durante a evapotranspiração. Essa característica reguladora das florestas tropicais pode ajudar a moderar os ciclos destrutivos de enchentes e secas que podem ocorrer quando as florestas são desmatadas. Eles ajudam a regular o ciclo da água.

No ciclo da água, a umidade é transpirada e evaporada na atmosfera, formando nuvens de chuva antes de serem precipitadas como chuva de volta para a floresta. 50-80 por cento da umidade na Amazônia central e ocidental permanece no ciclo da água do ecossistema.

Quando esta vegetação é derrubada, resulta em uma queda na umidade atmosférica. Essa queda de umidade significa que haverá menos água no ar para retornar ao solo. Os solos começam a secar e perdem a capacidade de cultivar certas plantas. Também aumenta o risco de incêndios florestais.

Um exemplo são os incêndios de 1997 e 1998 causados ​​por condições secas criadas pelo El Niño. Milhões de acres queimaram quando o fogo varreu a Indonésia, Brasil, Colômbia, América Central, Flórida e outros lugares.

12. Declínio da Qualidade de Vida

Os participantes da conferência do tratado climático global de 1998 em Buenos Aires levantaram preocupações com base em estudos anteriores do Instituto de Ecologia de Edimburgo de que a floresta amazônica poderia ser perdida em 50 anos devido a mudanças nos padrões de chuva induzidas pelo aquecimento global e conversão de terras.

Isso acabará resultando em insegurança alimentar, já que milhões de pessoas em todo o mundo dependem das florestas para caça, agricultura em pequena escala, coleta, remédios e materiais do dia a dia, como látex, cortiça, frutas, nozes, óleos naturais e resinas. Essas pessoas também dependem de alimentos das florestas e de árvores localizadas fora das florestas para aumentar a qualidade nutricional e a diversidade de suas dietas.

O desmatamento também contribui para o conflito social e a migração em áreas como o Sudeste Asiático.

Os efeitos do desmatamento no meio ambiente são sentidos mais em nível local com a perda de serviços ecológicos fornecidos pelas florestas tropicais e ecossistemas relacionados.

Esses habitats fornecem aos humanos uma riqueza de serviços; serviços dos quais os pobres dependem diretamente para sua sobrevivência diária. Esses serviços incluem, mas não estão limitados à prevenção de erosão, controle de enchentes, filtragem de água, proteção da pesca e polinização.

A longo prazo, o desmatamento das florestas tropicais pode alterar o clima global e a biodiversidade. Essas mudanças tornam difícil e mais desafiador observar e prever o clima a partir de efeitos locais, uma vez que ocorrem em uma escala de tempo mais longa e podem ser difíceis de medir.

13. Refugiados Ambientais

Entre os efeitos do desmatamento no meio ambiente está o fato de que ele pode deixar as pessoas como “refugiadas ambientais” – pessoas que são deslocadas devido à degradação ambiental,

O desmatamento desencadeia outros problemas ambientais, como invasão de desertos, incêndios florestais, inundações, etc. Essas condições afastam as pessoas de suas casas para locais onde são submetidas a condições de vida desfavoráveis.

Um exemplo é no Brasil, onde os migrantes foram forçados a trabalhar nas plantações sob duras condições de trabalho. Pesquisas da Cruz Vermelha mostram que mais pessoas são deslocadas por desastres ambientais do que por guerras.

14. Surto de Doenças

Muitas doenças tropicais surgiram como efeito do desmatamento no meio ambiente.

Algumas dessas doenças surgem como efeitos diretos, enquanto outras são efeitos indiretos do desmatamento no meio ambiente. Doenças como ebola e febre de Lassa são um impacto sutil, mas sério, no desmatamento. À medida que os hospedeiros primários de patógenos que causam essas doenças são eliminados ou reduzidos pela perturbação e degradação da floresta, a doença pode surgir entre os humanos que vivem ao redor.

Outras doenças como malária, dengue, febre do Vale do Rift, cólera e esquistossomose transmitida por caramujos aumentaram devido à proliferação de piscinas artificiais de água, como represas, arrozais, valas de drenagem, canais de irrigação e poças criadas por esteiras de tratores.

O surto de doenças como efeito do desmatamento no ambiente tropical não atinge apenas as pessoas que residem nesses países. Como algumas dessas doenças são transmissíveis, elas podem ser incubadas por tempo suficiente para permitir a penetração nos países desenvolvidos de clima temperado.

Um paciente infectado da África Central pode infectar uma pessoa em Londres em 10 horas. Tudo o que ele precisa fazer é embarcar em um voo para Londres. Com isso, milhares de pessoas podem se infectar pelo contato com aquele paciente da África Central.

Recomendação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *